segunda-feira, dezembro 11

Darkthrone: Não espere aquela sonoridade brutal, com bateria ultra-veloz e riffs de guitarra cortantes. Tudo é simples, direto e gélido.

0
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Foto: divulgação

Por Matheus Vieira

Já ouvi muito black metal. Hoje, o estilo não é uma constante em meu aparelho de som, mas tem muitos representantes catalogados em minha coleção. Confesso que fazia tempo que não comprava um algum novo CD de alguma banda do gênero (exceto o Satyricon, minha preferida).

Mas quebrei a regra quando ouvi uma música deste ‘Arctic Thunder, décimo sétimo registro dos noruegueses do Darkthrone, umas das autoridades quando o assunto é metal extremo. Sempre tive uma atração pelo trabalho da dupla Fenriz e Nocturno Culto, que há trinta anos apostam na mesma fórmula de fazer black metal, com muito espaço para o heavy, o doom e até o punk.

Logo, não espere aquela sonoridade brutal, com bateria ultra-veloz e riffs de guitarra cortantes. Ao contrário, tudo é bem cadenciado, mas executado sobre uma produção simples, direta e gélida, como bem pede a essência do trabalho do Darkthrone. Com canções longas e homogênias, ‘Arctic Thunder’ não ficará na história. E também acho que não é aquele disco para se viciar, de se ouvir todo dia, ou mesmo cantar alguma música. Mas o black metal de verdade é assim, não? E os noruegueses manjam deste assunto.

Foto: divulgação

Nota: 8
Peaceville Records

Faixas:
1. Tundra Leech
2. Burial Bliss
3. Boreal Fiends
4. Inbred Vermin
5. Arctic Thunder
6. Throw Me Through the Marshes
7. Deep Lake Tresspass
8. The Wyoming Distance

Integrantes:
Nocturno Culto (vocal, guitarra e baixo)
Gylve Fenris (bateria, baixo e guitarra)

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Compartilhe

Sobre o Autor

Pai do lindo Nicholas, Vieira é jornalista (com diploma - MTB 67923/SP) e acumula anos de experiência em redações de jornais e revistas. Colecionador de CD´s de rock e metal, também é apaixonado por cinema e arte de maneira geral. Foi diretor do extinto Portal Novo Metal e colaborador dos sites Whiplash e Portal do Inferno. Escreveu matérias para a Roadie Crew e Valhalla. Na rádio Uniara FM 100.1, foi um dos fundadores do programa Black Dog, há 5 anos. Agora, as ondas do rádio ganharam novos contornos. E foram para a internet. Ao seu lado, o amigo Carlos Oliveira.

Comments are closed.